sexta-feira, 29 de junho de 2012

“Açores: 9 Ilhas,9 Fotógrafos” no Centro Português de Fotografia


A exposição “Açores: 9 Ilhas, 9 Fotógrafos” tem por base o livro de fotografia com o mesmo nome – editado em 2006 - e é uma perspectiva da vivência sócio-cultural e natureza de cada uma das nove ilhas dos Açores.

A fotografia é de Luís Vasconcelos (Flores), Luís Ramos (S. Miguel), José Manuel Ribeiro (Graciosa), Bruno Portela (Pico), Daniel Rocha (Terceira), Pedro Letria (S.Jorge), Gonçalo Rosa da Silva (Corvo), Luís

Esta exposição, da iniciativa da Estação Imagem e com o apoio do Governo Regional dos Açores, pode ser vista no Centro Português de Fotografia (Porto) até 23 de Setembro.

quinta-feira, 28 de junho de 2012

"Meio tempo" de Ernesto Valverde exposta em Atenas

© Ernesto Valverde

Foi avançado do Atlético de Bilbau e do Barcelona e recentemente treinador de sucesso nos gregos do Olympiakos. Agora, Ernesto Valverde (Viandar de la Vera, Cáceres, 1964) retoma uma paixão antiga, a fotografia.

Enquanto jogava no Barcelona, Valverde estudou no Instituto de Estudos Fotográficos da Catalunha.

A sua primeira grande exposição de fotografia “Meio tempo”, com curadoria de Nadia Argyropoulou, inclui 66 imagens a preto e branco obtidas entre 2004 e 2012 dentro e fora do campo.

A exposição estará aberta ao público até 30 de Junho, na galeria Ileana Tounta, em Atenas.

Meio tempo” deu também origem a um livro (edição de La Fábrica) com o mesmo nome e mostra-nos a faceta mais artística e oculta de Valverde.

quarta-feira, 27 de junho de 2012

Estudo de obras-primas fotográficas dá a Ana Martins prémio do MoMA

© Henri Cartier-Bresson

A portuguesa Ana Martins foi premiada pelo Museu de Arte Moderna (MoMA) de Nova Iorque pelo estudo científico de obras-primas fotográficas, incluindo as de Henri Cartier-Bresson, que revelaram a "história" de por detrás das impressões.

Na coleção do MoMA há com frequência várias impressões de um mesmo negativo, com datas distintas e portanto com uma "história" e papéis fotográficos diferentes.

Ligada ao MoMA há quase cinco anos, a ex-professora da Faculdade de Ciências do Porto foi surpreendida na semana passada, durante uma reunião do pessoal do Museu, com a notícia de que seria este ano a distinguida pela administração pelo seu trabalho.

Pode ver aqui o artigo completo no jornal “Público”.

segunda-feira, 25 de junho de 2012

"Fotografia e Curadoria - Queijo Curado é Outra Coisa" livro de Renato Roque


"Fotografia e Curadoria - Queijo Curado é Outra Coisa" o livro de Renato Roque vai ser apresentado por Joao Fernandes, no auditório de Serralves (Porto) na 3ª feira, dia 3 de Julho às 18 horas.

Segundo o autor, o livro é uma reflexão pessoal sobre o que vemos estar a acontecer no presente na área da chamada fotografia artística contemporânea e sobre o papel actualmente desempenhado pelos curadores de fotografia.

Nele analisa e critica um conjunto de situações e de práticas que parecem equívocas ou pouco aceitáveis.

Como escreve logo na introdução do livro "Aceitámos o arriscado desafio de publicar este texto porque acreditamos que poderá ser útil para suscitar uma discussão aberta e uma polémica, sobre o que se chama arte e fotografia contemporâneas e sobre o papel desempenhado pela chamada curadoria fotográfica contemporânea que, se tivermos em conta o contexto de mudança profunda e acelerada em que a fotografia hoje se encontra, deveriam ser permanentes, mas que surpreendentemente parecem ser tão raras."

Pode ver aqui o site do fotógrafo.

sexta-feira, 22 de junho de 2012

Alberto García-Alix galardoado com o Prémio PhotoEspaña 2012

La Gata (2001)
© Alberto García-Alix

O fotógrafo espanhol Alberto García-Alix (Léon, 22 de Março de 1956) foi galardoado com o Prémio PhotoEspaña 2012 como reconhecimento do valor artístico da sua obra, de "inigualável estilo".

Em 1999, já tinha sido galardoado com Prémio Nacional de Fotografia de Espanha.

Pode ver aqui uma entrevista com o fotógrafo e aqui o seu site.

quinta-feira, 21 de junho de 2012

"Juntos no bairro" no Bar do Mundo


O projecto fotográfico "Juntos no Bairro" surgiu pela iniciativa de uma jovem, Maria Dworak, da Polónia, que se encontra em Portugal a fazer Erasmus.
Com vontade de se envolver com a comunidade, propôs-se a fazer voluntariado na ADILO - Agência de Desenvolvimento Integrado de Lordelo do Ouro, no Projecto METAS, nascendo assim a ideia deste trabalho que uniu as crianças e jovens da freguesia de Lordelo do Ouro, no Porto, a adultos apaixonados por fotografia.
A exposição "Juntos no Bairro", que conta com a parceria do Instituto Português do Desporto e Juventude, do Bar do Mundo e é totalmente apoiada pela Citylab, retrata a freguesia vista pelos olhos dos participantes, resultado de dois meses de trabalho em pares (jovem + adulto), que favoreceu a criação de relações pessoais e a exploração das capacidades dos jovens.
Ao longo de várias sessões, através de workshops fotográficos e captação de fotografias ao ar livre, foram visitados os bairros de Lordelo, Mouteira, Pinheiro Torres, Pasteleira, Condominhas e Aleixo, desconstruindo ideias negativas e permitindo a partilha e interacção entre pessoas de diversos locais.
A exposição pública dos resultados deste projecto, para além de dar a conhecer os bairros da freguesia de Lordelo do Ouro, permite o reconhecimento do trabalho efectuado por estas crianças e jovens, que contactaram com um tipo de arte que não se aprende na escola comum, a fotografia, diversificando assim as suas experiências e conhecimentos.

Para visitar entre 26 de Junho e 26 de Julho, no Bar do Mundo (Rua Mouzinho da Silveira, 234 - Porto).

terça-feira, 19 de junho de 2012

"Sem retorno" de Sebastião Resende, no Museu da Luz

© Sebastião Resende

No próximo sábado, dia 23, vai ser inaugurada no Museu da Luz (Aldeia da Luz, Alentejo) a exposição “Sem retorno” com 7 trabalhos de grande formato, de Sebastião Resende.

A exposição tem origem num conjunto alargado de imagens que o autor fez, em diversas visitas à Barragem do Alqueva, quando esta atingiu pela primeira vez a cota máxima, em 2010.

Fundado em 2003, o Museu da Luz situa-se na nova aldeia do mesmo nome, construída para realojar os mais de 300 habitantes da antiga povoação, submersa no âmbito do processo de enchimento da albufeira de Alqueva

A exposição pode ser vista até 23 de Setembro.

segunda-feira, 18 de junho de 2012

"Um reino maravilhoso..." de Luis Coelho, em Castro Laboreiro


Diz Miguel Torga: "Subo ao alto da serra,olho em redor,e até me parece impossível que nas pupilas tão pequenas do homem possam caber certas grandezas.
Mas cabem.E mais:é nelas que tais grandezas adquirem sentido."

Assim se faz a apresentação da exposição “Um reino maravilhoso”, de Luis Coelho.

Para ver no Hotel Castrum Villae (Castro Laboreiro), até ao dia 30 de Junho de 2012.

quinta-feira, 14 de junho de 2012

Conversas à volta da fotografia


Conversas à volta da fotografia e da sua publicação em livro” é o nome da tertúlia organizada pela revista Coelacanto e pelo fotógrafo José Soudo, no próximo dia 27 de Julho, pelas 19h00. O evento decorrerá na Livraria Sá da Costa (Rua Garrett, 100 – Lisboa) e terá a participação de Adriano Miranda, Augusto Brázio, Carlos Azevedo, Duarte Belo e João Mariano, com a moderação a cargo de Miguel Gaspar.

A tertúlia iniciou-se em Junho, com o tema “Conversas à volta da Fotografia e da sua produção contemporânea” e vai realizar-se todas as últimas quartas-feiras de cada mês, até Março de 2013.

segunda-feira, 11 de junho de 2012

“Fred Stein. Paixão pelo quotidiano” em Pontevedra

Selling Flowers, Paris 1935
© Fred Stein
O alemão Fred Stein (Dresden, 1909-Nova York, 1967 foi um dos mais importantes expoentes da fotografia urbana. 
A ascensão do nazismo em 1933 fez com que Stein fosse viver para a capital francesa, junto com a sua mulher Liselotte Salzburg. Mais tarde refugiaram-se nos Estados Unidos quando a guerra pôs em perigo as suas vidas. Lembramos que Stein era judeu e desde novo teve interesse pela política, sendo um activo antifascista.

A exposição “Fred Stein. Paixão pelo quotidiano” é um conjunto de 80 trabalhos em que Paris, Nova Iorque e uma série de retratos são os protagonistas.

Pode ser vista até 29 de Julho, em Pontevedra (Centro Sócio-Cultural Novacaixagalicia, Praza de San Xosé, 3).

terça-feira, 5 de junho de 2012

Pereira Lopes expõe " do meu PORTO de vista" na Casa dos Açores do Norte


Depois da Swett Douro e da Galeria “Plebeus Avintenses” é agora a vez da Casa dos Açores do Norte (Rua do Bonfim, 163 – Porto) receber a exposição “do meu PORTO de vista”, do fotógrafo Pereira Lopes

A inauguração será no próximo sábado, pelas 15:30, e terá a participação especial da pianista suíça Anne Marie Menet, que vai tocar Beethoven, Litz, Mendelssohn e Chopin e da actriz Alzira Santos, que vai dizer três poemas sobre o Porto.

No final será servido um Porto de Honra.

A exposição poderá ser visitada até ao dia 23 de Junho, das 14h00 às 18h00.

segunda-feira, 4 de junho de 2012

"As fénix renascidas" de Luis Reina, no Museu D.Diogo de Sousa


Escreve Luís Reina na apresentação da sua exposição "As Fénix Renascidas":

"Ano 62.
A ira de Neptuno fez-se sentir.
As águas da baía azul de Nápoles agitaram-se, cada vez mais e mais, transformando-se num bailado impiedoso e revolto.
Mas foi a raiva de Plutão, que mais atemorizou.
Rugidos dilacerantes de dor ouviam-se por terras Vesuvianas. A destruição de tempos de luxúria, acabavam numa ruína desastrosa de uma época de ouro de uma civilização expansionista que fez da arte e da guerra símbolos marcantes de uma época para sempre imortalizada.
A terra tremeu. As brechas dos deuses irados fizeram-se sentir, no mundo humano impiedoso, derrubando-o.
 
Ano 79.
Mas o fausto cruel continuava por terras imperiais. Os eróticos prazeres de Baco, propagandeavam e propagavam-se cada vez mais. Os luxos de uma população cada vez mais desigual eram cada vez maiores.
A reconstrução das cidades fazia-se velozmente à custa de sangue, suor e lágrimas. A felicidade de uma minoria por um lado e da infelicidade de uma maioria por outro, pesavam desigualmente nos pratos de uma balança.
Júpiter o Deus dos Deuses não gostou.
Vulcano concordou e a fúria desta vez foi terminal.
O inferno desceu à Terra e destruiu completamente uma vasta área, fértil em ócios tempos de despudor, de uma população imoral e sem rumo.
Cinzas, lava, matéria incandescente, desceram velozmente pelas escarpas verdejantes do Vesúvio, soterrando durante séculos as cidades que se espraiavam a seus pés, sepultando para todo o sempre pessoas e animais.
E as trevas mantiveram-se … de acordo com Saturno."
.
Para ver até ao dia 28 de Julho, no Museu D. Diogo de Sousa, em Braga.

Pode ver aqui uma entrevista com o fotógrafo.