terça-feira, 30 de junho de 2009

12pm

Série “12pm”, Trondheim, Noruega, Junho 2006
© Renato Roque

O fotógrafo Renato Roque, nasceu no Porto em 1952 e é licenciado em Engenharia de Telecomunicações. O seu projecto “12pm” pode ser visto até 22 de Julho, na Galeria Serpente (Rua Miguel Bombarda, 558 – Porto).

Deste trabalho refere Renato Roque: "O projecto fotográfico nasceu com as fotografias realizadas em Junho de 2006 na Noruega, no fiorde de Trondheim e na pequena ilha de Smola, onde fica situada uma pequena aldeia piscatória, Veidholmen. Todas as fotografias foram feitas à volta da meia-noite.Quase sempre, as coisas que são capazes de mais nos surpreender, seduzir e encantar são afinal as coisas mais simples: uma rabanada de vento nas ervas, uma revoada de pássaros, um odor antigo, um charco de água, uma luz misteriosa. E foi a luz mágica daquelas noites inesquecíveis nas margens do mar da Noruega que me cativou. E assim a viagem recomeçava."
Outras imagens de “12pm” podem ser vistas aqui.

"A outra cidade", de Alejandro Lamas

© Alejandro Lamas

20 imagens compõem a exposição “A outra cidade”. São imagens de Madrid (Espanha) e Rosário (Argentina) que o fotógrafo argentino Alejandro Lamas nos mostra com “a intenção de gerar uma nova cidade, a minha cidade, que não é identificável e que tem a ver visões pessoais e fantasmas próprios”.

Alejandro Lamas vive em Madrid à 20 anos e a ideia de um trabalho sobre as duas cidades da sua vida surgiu olhando trabalhos antigos e outros mais recentes. "Dei conta de que as duas tinham pontos de contacto e de que, juntas, formavam a minha cidade".
Há ruas, reflexos de edificios nos charcos que se formam no solo após um dia de chuva, sinais de tráfego e quase não há gente.
As fotografias são todas a preto e branco já que segundo o fotógrafo “O preto e branco trabalha a irrealidade. Não poderia fazer este mesmo trabalho em côr porque cada cidade tem a sua e não conseguiria unifica-las".

Até 8 deJulho na Sala de Exposições Ultravioleta, calle Cavanilles 21, Madrid.

segunda-feira, 29 de junho de 2009

Photografias de meu avô Jacinto


"A Praia Formosa, photografias de meu avô Jacinto A. Moniz de Bettencourt, Ilha da Madeira", é o título de um livro da artista plástica Lourdes Castro sobre as memórias da casa onde nasceu e foi criada, na Madeira, que "ao recorrer a fotografias de alguns familiares pretendeu, desta forma, criar um livro com uma visão intimista de uma realidade passada".

Numa evocação saudosa desse passado Lourdes Castro recorda no livro que, para ir ao banho na Praia Formosa, “ (...) descíamos do areão, desviávamo-nos das tabaibeiras, pelo caminho funcho bravo, goivos da rocha, aromas brancos. Atravessávamos as bananeiras já lá em baixo e estávamos na praia, tão vasta, tão larga. Formosa porque vazia! (...) Hoje, como um quarto atravancado de móveis, a Praia Formosa encheu-se de imóveis. Agradeço ao Avô ter deixado o seu olhar da beleza deste sítio. E grata ao céu e à terra eu ter começado a respirar aqui”.

O livro foi editado pela Assírio & Alvim, numa produção do Museu de Serralves.

Com o mesmo nome está patente uma exposição na galeria Porta33, no Funchal (Madeira) com ampliações de fotografias tiradas há cerca de um século na Madeira, pelo avô da artista.
Os negativos em vidro das fotografias do avô de Lourdes Castro - Jacinto A. Moniz de Bettencourt - foram preservadas em três caixas de madeira e permaneceram assim até 2006 , quando foram entregues ao Centro Português de Fotografia, no Porto, que as digitalizou.

Até 3 de Outubro.

sexta-feira, 26 de junho de 2009

Cristina García Rodero, membro da Magnum

A confissão, Saavedra, 1978
© Cristina García Rodero

Cristina García Rodero nasceu em Puertollano, no ano de 1949. A espanhola é desde ontem a quarta fotógrafa de pleno direito na cooperativa Magnum (as outras três são Martine Franck, Lise Sarfati e Susan Meiselas).

A artista, que se tornou conhecida internacionalmente com a sua magnífica obra “Espanha oculta” (1989), crê que a sua entrada é o reconhecimento "da fotografia independente e livre e de uma busca mais pessoal e individualizada, mas também criativa, que vai mais além do que o fotojornalismo”.

A fotógrafa espanhola estava emocionada, por culminar um processo que se iniciou em 2005, quando foi nomeada com outras três pessoas para entrar na agência, onde ascendeu à categoría de associada em 2007.

Pode ver aqui outros trabalhos da fotógrafa.

terça-feira, 23 de junho de 2009

O Porto, visto por Markus Zuber

Porto sem fim” é uma exposição do fotógrafo suiço Markus Zuber. É também o título de um livro editado no final de 2007, com poemas de Eugénia Soares Lopes.

Zuber veio ao Porto por acaso, mas as luzes da cidade encantaram-no e ele voltou várias vezes para captar esse encanto.

No prólogo do livro, disse Pedro Guedes de Oliveira: “ Quando se vive muito tempo numa cidade, sente-se mais do que se vê. Mas a cidade que vejo através da câmara de Markus Zuber é a cidade que eu sinto: o Porto dos recantos e detalhes que uma visão superficial esconde; os dias cinzentos e as noites de neblina; o sol que também brilha e nos devolve uma cidade que chega a ser alegre; a vista de fora mas também o olhar íntimo: robustez, austeridade e uma reconfortante sensação de seriedade”.

Até Julho, na ECLA – Alfarrabista (Rua da Boavista, 591 – Porto).

Pode ler aqui, uma entrevista com Zuber.

segunda-feira, 22 de junho de 2009

Genín Andrada, ganha fotoCAM 2009

Chineses em Usera ,2008
© Genín Andrada

O II Prémio de Fotografia Jornalistica, fotoCAM, edição de 2009, dotado com 20.000 euros, foi entregue pela presidente da Comunidade de Madrid, Esperanza Aguirre, a Genín Andrada pela sua fotografia “Chineses em Usera”, de uma série de fotografias para a revista Madriz.

Andrada é colaborador habitual de meios de comunicação espanhóis e internacionais e os seus trabalhos já foram expostos no Museu Nacional Centro de Arte Reina Sofía (Espanha), Fonds National d'Art Contemporain (França) e no festival PhotoEspaña.

O júri do fotoCAM 2009 era composto pelos responsáveis de fotografia dos principais meios de comunicação espanhóis, agências e fotógrafos de reconhecido prestígio: Marisa Fernández Flórez (El País), Rosario Pons d(EFE Gráfica), Jon Barandica ( Público), Angel Casaña (El Mundo), José Ramón Platón (La Razón), Miguel Berrocal (ABC) e o fotógrafo Manuel Pérez Barriopedro.

30 fotografias do concurso foram seleccionadas para uma exposição que decorre no pátio da Real Casa de Correos (Madrid), até ao dia 5 de Julho.

sexta-feira, 19 de junho de 2009

Cannes na colecção Traverso

Elizabeth Taylor e Mike Todd ,1950
© Collection Traverso

A exposição Cannes Cinema. 50 Anos de Festival na colecção Traverso mostra-nos noventa fotografias de grandes estrelas de cinema, pertencentes ao arquivo dos Traverso, uma família de origem italiana que no século XIX se estabeleceu em França e se tornaram fotógrafos quase oficiais do Festival de Cannes.

"Ao olharmos por ordem cronológica todas estas fotografias permite-nos perceber claramente não só como mudaram os trajes e os penteados, mas também a relação entre os actores e os fotógrafos. Os actores iam a Cannes para se deixarem fotografar. Havia uma disponibilidade total por parte das estrelas " explica Alberto Barbera, director do museu que acolhe a exposição.

A italiana Sofia Loren, o francês Alain Delon e a austríaca Romy Schneider são alguns dos actores captados pela objetivo dos Traverso.

Até 30 de Agosto, no Museu Nacional do Cinema de Turim (Itália).

O vencedor

Rebentação, Porto 2009
© Pereira Lopes

Danilo Siqueira , de S.Paulo (Brasil) foi o vencedor do concurso que promovemos neste blog.

Irá receber brevemente em sua casa uma cópia em papel da fotografia que escolheu e que publicamos neste post.

"Litorais" de Danilo Pavone

Landscape Theories
©Danilo Pavone

Uma exposição do fotógrafo italiano Danilo Pavone - a viver em Portugal há uma dúzia de anos - está patente no Museu Municipal de Espinho, que funciona nas instalações da antiga fábrica conserveira Brandão Gomes.

"Litorais" é o título da exposição e abrange 27 imagens, nocturnas e diurnas, de localidades costeiras portuguesas.

Premiado na oitava edição da Bienal de Fotografia de Vila Franca de Xira, em 2003, Pavone tem colaborado regularmente com o IPPAR - Instituto Português de Património Arquitectónico e com o Museu Monográfico de Conímbriga.

Até 31 de Agosto.

quarta-feira, 17 de junho de 2009

Quem será ?

©Pierre-Olivier Deschamps

Esta semana adquiri o livro “Um fotógrafo em Abril”. Uma edição da Editorial Caminho, de 1999.
As 25 fotografias do livro são de um fotógrafo que estava no início da sua carreira e tinha sido enviado para Portugal , pela Agência Sygma, para fazer a cobertura dos acontecimentos resultantes do 25 de Abril de 1974.

Quem será este fotógrafo ?

Quem quiser participar terá que indicar nos comentários o nome do fotógrafo e escolher uma fotografia do blog http://gravidosilencio.blogspot.com/ .

O primeiro leitor que acertar no nome do fotógrafo, receberá como prémio uma impressão da fotografia escolhida.
O vencedor será anunciado no próximo dia 19.

segunda-feira, 15 de junho de 2009

Funeral de Ricardo Rangel com honras de Estado

©David Clifford

O funeral do fotógrafo moçambicano Ricardo Rangel marcado para hoje às 15.00 horas (hora de Maputo) no cemitério de Lhanguene, terá honras de Estado e será antecedido de velório, nos Paços do Município de Maputo, às 13.00 horas. As exéquias estão a cargo do Estado moçambicano, através do Ministério da Educação e Cultura.

Rangel, que faleceu com 85 anos na passada quinta-feira enquanto dormia, é considerado o mais importante fotojornalista moçambicano.
Em 1981, fundou a Associação Moçambicana de Fotografia e em 1984 criou o Centro de Formação de Fotografia, responsável pela formação de fotógrafos moçambicanos como José Costa, Alexandre Fenías, Naita Ussene e João Costa.

sexta-feira, 5 de junho de 2009

Virxilio Viéitez, um retratista

Virxilio Viéitez
©Keta Viéitez

Virxilio Viéitez (1930-2008) foi um fotógrafo galego.

Aos 18 anos toma contacto com a fotografia comprando uma Kodak de formato 6 x 9.
Em 1957, troca a sua câmara Reina por uma Rollei e pouco depois por uma Voigtlander dedicando-se profissionalmente à fotografia. Fundamentalmente a preto e branco.

Nos anos 80 abandona toda a actividade fotográfica.
Em 1997, a sua filha Keta organiza uma exposição com cerca de 100 fotografias de Virxilio, mostrando assim o seu trabalho. Esta exposição foi visitada por Manuel Sendón e Suárez Canal, que tratam por todos os meios que a obra deste fotógrafo galego seja conhecida não só em toda a Galiza, mas em todo o mundo.

Foi reconhecido à altura de fotógrafos como Ksado ou Manuel Ferrol, combinando nos seus retratos “modernidade, depuração técnica e documento social”.

Dele diz sua filha “"Foi um grande fotógrafo, um génio da fotografia. Com poucos meios conseguiu trascender-se. Não sabía a importância do seu trabalho, embora sabendo que era um bom fotógrafo. Na Galiza não há nada comparável e em Espanha tem um valor histórico. A sua obra já é importantíssima mas á medida que o tempo passe irá tornar-se ainda mais importante".

Pode ver aqui alguns trabalhos de Viéitez.

"Carla Bruni na cama", valeu 4 vezes o esperado

©Wolfgang Kumm
-
A foto “Carla Bruni na cama”, de Pamela Hanson tirada em 1994, foi comprada ontem em Berlim por 13.090 euros, valor quatro vezes vsuperior ao esperado.

O comprador é um coleccionador particular, disse a casa de leilões Villa Grisebach.

terça-feira, 2 de junho de 2009

Marilyn Monroe, 83 anos

©Bert Stern
-
Marilyn Monroe (1926-1962), foi um dos ícones do século XX. Se fosse viva teria feito ontem 83 anos.

Foi o fotógrafo Davis Conover que a descobriu quando estava a realizar um trabalho para a revista Yank, na fábrica Radio Plane Munition, onde a então Norma Jean trabalhava. Começou a aparecer em capas de revista. Já exercia um enorme poder sobre a câmara.

Em 1950, o fotógrafo Ed Clark enviou para a revista Life várias imagens da bela Marilyn Monroe, então com 24 anos. “Quem é Marilyn Monroe?” Foi a pergunta que fizeram ao fotógrafo. Não foram publicadas. Foi revelado que numa nota dirigida ao editor de fotografia se podia ler que a sessão era “excessiva e mal impressa”.

Quase 60 anos depois, essas imagens foram recuperadas e a Life publicou-as, celebrando dessa forma os 83 anos do nascimento da actiz.

Pode ver aqui as imagens.

segunda-feira, 1 de junho de 2009

"A Paisagem Sentida", de Michael Kenna

Small Trees, Anchorage, Alaska, USA, 1989
©Michael Kenna

Michael Kenna tem agendadas para 2009, 4 exposições: Centro Andaluz da Fotografia, Almeria, Espanha (até 19 de Julho), Charles A. Hartman Fine Art, Portland, Oregon, Estados Unidos (17 de Junho a 1 de Agosto), Kushiro Art Museum, Kushiro, Hokkaido, Japão (28 de Agosto a 11 de Novembro) e na Biblioteca Nacional, Paris, França (12 de Outubro a 10de Janeiro de 2009).
A Paisagem Sentida” é o título da exposição patente em Espanha, onde Kenna apresenta 128 imagens a sépia.

Diz Alain D'Hooghe, comisário da exposição "O que nos mostra Kenna não é o que nós poderíamos ver in situ. Aproveitando momentos em princípio pouco propícios para a fotografia – o nascer do dia, o crepúsculo, a noite - e recorrendo a tempos de exposição muito prolongados - desde alguns segundos até horas -, Kenna faz com que a película registe fenómenos imperceptiveis à vista: as nuvens extendem-se até ao infinito, as estrelas traçam linhas no céu, a superfície da água adquire uma opacidade láctea... Assim, as suas imagens não são paisagens em si, são mais impressões, uma paisagem sentida, daí que a sua visão seja decididamente romântica".

Pode ver aqui outras imagens de Michael Kenna.